quinta-feira, abril 27, 2006

Viagem de Comboio

Acorda com outro pesadelo.
Não são recorrentes, mas sempre com a mesma personagem. Lembra-se do que o Take lhe disse um dia sobre pesadelos e sorri.
Que personagem estranha, o Take.

Bebe o café apressadamente para tentar evitar a companheira de quarto que acaba de se enfiar no duche. Tem exactamente 10 minutos para o beber, pegar na mala e sair.
Tem de sair mais cedo, o carro está na oficina.
Há muito tempo que não apanho um comboio.

A estação permanece na mesma desde a última vez que se lembra. Sempre preferiu o comboio em alternativa ao autocarro. Em parte porque a deixam fumar. Mesmo em viagens de 15 minutos, é confortante saber que temos liberdade para acender um cigarro.
São 4 paragens até ao destino. A manhã está fria e o recente verde da Primavera sobressai por entre a neblina e um céu cinzento preguiçoso.
O comboio está praticamente vazio e repara que os bilhetes agora saem automaticamente de um aparelho electrónico.
Fica um pouco desiludida por não ouvir o estalido do picador e por não rever os velhos bilhetes de cartão, que tinham cores diferentes conforme se era ida e volta, regional ou intercidades.
Verde, laranja e azul.

Chega finalmente ao destino e repara ser a única a sair naquela estação.
Passa pelas casas de banho típicas, das quais se lembrava tão bem, deixadas ao abandono e ao esquecimento.
Homens e Senhoras.

Há um cheiro estranho no ar. Uma mistura de terra molhada pela humidade matinal com caramelos de morango.
No meu tempo os caramelos de morango sabiam melhor.

Caminha em passos lentos, a tentar adiar o inevitável. Já não sentia nervosismo, a calma surgiu-lhe após a resignação. Não era medo o sentimento que lhe atrasava o passo, mas sim o hipnotismo que aquela paisagem provocava.
Um ou outro raio de sol furava agora aquele muro de massa cinzenta e deixava avivar as cores dos campos. O cheiro era cada vez mais familiar e confundia-se agora com o aroma verde dos brincos-de-princesa que floresciam num quintal ali perto.
Que pena, de carro não consigo apreciar nada disto.

Eís que lhe surge o portão.
Verde, metálico, com pequenos espigões no topo para dissuadir quem o planeasse saltar.
Procura com o olhar o botão da campainha, mas o portão abre-se diante de si.
Hesita por segundos e entra decididamente.
Está na hora.

D. Tina rega os seus brincos-de princesa. Pensa que o dia está a pôr-se bonito e que será um bom dia para ir à cidade.
Um pequeno estrondo fá-la deixar cair a mangueira. O pequeno tubo de plástico contorce-se a esguichar água como se de uma cobra a lutar pela sobrevivência se tratasse.
D. Tina benze-se, como quem tem o gesto mecanizado e domina a cobra moribunda.
Este ano os meus brincos-de-princesa brotaram como nunca.

2 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Mmm my sweety private weblink collection. I hope you enjoy it !
ass parade
naruto xxx





------------------------------------------------------------------------------------------------
About Christmas
merry christmas

5:42 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

xanax
phentermine
buy tramadol
big breast
merry christmas
ass parade
naruto xxx
auto insurance
auto insurance
cars insurance
cars insurance
texas car insurance
texas car insurance
car insurance quotes
car insurance quotes
car insurance policy
car insurance policy

3:15 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home